Logo
Imprimir esta página

Cancioneiro de Cinfães

Cancioneiro de Cinfães
Classifique esta informação
(1 Vote)

A Câmara Municipal, no âmbito da candidatura “Cultura Para Todos”, reeditou no ano de 2021 o Cancioneiro de Cinfães. A obra de Vergílio Pereira foi apresentada no dia 24 de abril, no Auditório Municipal perante uma numerosa e entusiasta plateia. Um dia de festa, marcado, acima de tudo, por um sentimento de orgulho pela cultura e tradições de um povo, que ficará, certamente, na história do concelho de Cinfães.

A cerimónia iniciou com um desfile, na Praça da Fervença, dos grupos de folclore do Concelho, concretamente: o Rancho Infantil as Moleirinhas de Travanca; o Rancho Folclórico de S. Martinho de Fornelos; o Rancho Folclórico de Tendais; o Rancho Folclórico de Vilar de Arca; a Associação Cantas e Cramóis – Cinfães; a Associação Recreativa de Nespereira - Grupo Folclórico; o Rancho Folclórico de S. Cristóvão de Nogueira; o Rancho Folclórico de Santa Quitéria – Tendais e o Rancho Tradicional de Cinfães.

Seguiu-se a atuação, em palco, do grupo folclórico de Nespereira com a exibição da dança “Adeus ó vila de Arouca”, uma das 301 modas populares que compõe o Cancioneiro de Cinfães, cuja apresentação esteve a cargo de um grande cinfanense, um vulto da música e da cultura, o professor e maestro Joaquim Araújo Pereira Pinto.

O Grupo Folclórico Cantas e Cramóis também subiu ao palco para apresentar a dança “Não me ponhas o pé na saia”, mais um tema que integra o Cancioneiro, assim como o Coral Etnográfico de Cinfães, que sob a batuta do Maestro Pereira Pinto, deliciou os presentes com vários temas ao longo da sessão, num dia que foi duplamente de festa porque assinalou também o seu 37º aniversário.

O Cancioneiro de Cinfães foi editado, pela primeira vez, em 1950 e resulta da colheita, registo e estudo de Vergílio Pereira, a pedido da Junta de Província do Douro Litoral - Comissão Provincial de Etnografia e História. Os familiares do autor marcaram presença nesta apresentação, concretamente, a filha Maria Isabel e o neto Vítor Ribeiro.

Esta obra é o mais importante acervo da cultura cinfanense que preserva e perpetua as memórias, tradições, saberes e vivências do povo cinfanense. São quase 600 páginas com os elementos folclóricos musicais e algumas notas da história e da etnografia de Cinfães, onde os grupos de folclore do Concelho, o Coral Etnográfico de Cinfães, as Bandas Marciais e os grupos musicais vão buscar parte do seu reportório.

A cerimónia fechou com chave de ouro com o Coral Etnográfico de Cinfães a interpretar brilhantemente o hino de Cinfães, num momento que emocionou a plateia.

Cinfães - Capital da Música e das tradições orgulha-se da sua Terra e das suas Gentes…

P&T