Logo
Imprimir esta página

Observatório da Natureza de Marcelim: Mais perto do Céu!

Observatório da Natureza de Marcelim: Mais perto do Céu!
Classifique esta informação
(1 Vote)

A Câmara Municipal inaugurou no domingo, dia 15 de maio, o Observatório da Natureza de Marcelim, na freguesia de Tendais. Um investimento superior a 250 mil euros que nasceu a 800 metros de altitude, nas encostas do Montemuro, com uma vista soberba sobre o vale do Bestança e o rio Douro. A tarde foi de festa e foram muitos os cinfanenses e visitantes que se quiseram associar a este evento que contou com animação musical a cargo dos músicos cinfanenses Anselmo Vasconcelos, Carlos Melo e Pedro Remuge e um verde de honra servido pela Escola Profissional de Cinfães.

O presidente da Junta de Freguesia deu as boas-vindas a Tendais, deixando rasgados elogios à obra executada pelo Município de Cinfães. Nuno Leal reconheceu a importância desta infraestrutura que já registou a visita de milhares de pessoas, sendo uma atração turística de referência na região e no país.

Por sua vez, o vereador do Turismo e dos Fundos Comunitários começou por evidenciar que o Observatório da Natureza de Marcelim é um exemplo de um bom investimento de valorização do património natural e dos recursos endógenos, que se associa a muitos outros já executados, lembrando, o Parque do Km10, em Travanca; o Parque de Campismo e Caravanismo de Mourilhe; a intervenção nos Cais de Escamarão e Porto Antigo; o Parque de Cabrum e o Parque Verde Urbano de Souselo. Carlos Cardoso salientou que “isto só é possível com o apoio dos financiamentos comunitários e graças à saúde financeira do Município, acrescentando que “esta obra passou os 250 mil euros de investimento e iniciou sem qualquer garantia de financiamento, mas através do Norte 2020, conseguimos um financiamento de 85%, ou seja, o investimento dos cofres municipais foi cerca de 40 mil euros”.

Já o presidente da Câmara Municipal começou por referir que “este espaço já bonito por natureza, precisava com urgência de ser valorizado, para que se tornasse atrativo e, ao mesmo tempo, que cativasse visitantes e investimento privado”. Armando Mourisco reforçou que “este investimento faz parte da estratégia delineada pela autarquia para atrair turistas, fixar pessoas e incentivar a economia local, assim como novos investidores”, salientando que no concelho tem havido um aumento enorme do número de alojamentos e camas, um aumento do número de hospedes e do tempo médio de permanência, refletindo-se num grande aumento do volume de negócios no setor.

A obra, cuja área de intervenção foi de 4.095,00m2, contemplou a execução de um observatório superior, com vista sobre o vale do rio Bestança e um observatório inferior, com vista sobre a foz do rio Bestança e o vale do rio Douro. O espaço foi ainda dotado de uma praça de receção; um anfiteatro e uma praça de festas, vocacionada para a realização de pequenos eventos, bem como uma zona de estadia e lazer. A intervenção contou também a criação de uma zona de estacionamento com capacidade para 6 viaturas, colocação de ecopontos e a instalação de WC público. Dos trabalhos fizeram ainda parte a iluminação pública e sinalética com espécies (animais) menos conhecidas e que ainda habitam naquela zona, a colocação de mesas e bancos em vários pontos, a criação de acessos pedonais e um passadiço de madeira que faz a ligação entre os dois observatórios, assim como a criação de espaços verdes com a plantação de árvores e arbustos privilegiando a preservação da vegetação existente.

P&T