Skip to main content
.

Portugal 2020

Vivenciar Montemuro

CÓDIGO DO PROJETO | NORTE-04-2114-FEDER-000379

Vivenciar Montemuro
Objetivo principal
Preservar e proteger o ambiente e promover a eficiência energética

Região de intervenção
Serra do Montemuros

Entidade Beneficiaria
DOLMEN – Desenvolvimento Local e Regional CRL
Município de Cinfães
Município de Resende

Data de Aprovação | 17-03-2017
Data de início | 01-12-2016
Data de conclusão | 29-03-2019
Custo Total da Obra | 349.528,41€
Custo total elegível | 349.528,41€
Apoio financeiro da União Europeia | FEDER - 297.099,15€
Apoio Financeiro público nacional | 52.429,26€

Objetivos, atividades e resultados esperados/atingidos
O projeto Vivenciar Montemuro nasce da conjugação de interesses dos municípios de Cinfães e Resende e da Dolmen, Grupo de Ação Local responsável por diversos programas com incidência no designado Território Douro Verde, do qual fazem parte estes dois municípios. Este projeto emerge assim da comunhão de vontades, no sentido de potenciar o património natural que a serra do Montemuro encerra, sendo de inquestionável valor, mas sobre o qual urge intervir, no sentido de o potenciar para diversos fins, assumindo-se aqui como principal objetivo, a promoção do desenvolvimento económico sustentável, assente na promoção de atividades em torno do turismo de natureza. O projeto visa a criação de infraestruturas de apoio criando condições de usufruto da paisagem, reforçando a oferta turística nomeadamente no que se refere ao turismo de natureza, produto estratégico da região norte, assim definido na estratégia de marketing turístico do Porto e Norte de Portugal.
O projeto prevê a definição, implementação e sinalização de uma rede de percursos pedestres, num total de 6 Pequenas Rotas e 1 Grande Rota e uma rede de percursos de BTT, num total de 3 trilhos. O projeto incluíra ainda investimento infraestrutural, em três edifícios, antigas escolas primárias (Gralheira, Felgueiras e Feirão), prevendo-se a sua refuncionalização para estruturas de apoio aos BTTistas e pedestrianistas.
O potencial está latente e a procura existe, impondo-se agora a estruturação e organização da oferta, surgindo este investimento na continuidade de um trabalho que vem sendo desenvolvido, no sentido de tornar a região como um destino que se diferencia por conjuntos montanhosos de elevado interesse turístico (refira-se a serra do Marão e Serra da Aboboreira) onde recentemente foram homologados diversos percursos pedestres e de BTT, criando já uma interessante rede, neste último com cerca de 600km de trilhos implementados.

Galeria de Imagens



17 março 2018
Visualizações: 284

Lameiros na aldeia
de Bustelo